terça-feira, 13 de maio de 2014

Ninfomaníaca Volumes I e II

As últimas semanas com certeza me afastaram do computador, por diversos motivos. Acho que nos últimos tempos estou escrevendo menos o que é muito ruim. Contudo não poderia deixar de comentar o filme Ninfomaníaca, até por toda a repercussão gerada. Então vamos lá.
O Filme tem até alguns pontos interessantes, como a infelicidade e o sofrimento carregado pela personagem principal quando entende sobre sua sexualidade e resolve encará-la de frente.
A única relação de verdadeiro Amor que tem no filme, não envolve sexo, mas sim uma relação profundamente sentimental que nutria por seu Pai.
No mais, o filme em minha opinião é franco e não assistirei novamente, claro que com isso não quer desestimular as pessoas a não assisti-lo, pois muitos o consideraram o filme cult que merece ser visto e discutido em uma sociedade dita pós-moderna. No entanto isso para mim não quer dizer nada, pois meu comentário é o filme enquanto entretenimento e em minha opinião não foi nenhum pouco prazeroso assistir essa película. 
O diretor Lars von Trier   até trouxe bons elementos na narrativa, como mostrar o filme no ritmo de um livro ou mais precisamente um diário de uma mulher que nos seus 50 anos busca mostrar a história de sua vida. 
Não lembro se assistir outros filmes do diretor e apesar de não gostar desse seu último trabalho, o mesmo merece uma segunda chance pois explora temas complexos e isso eu admiro num cinema cada vez mais superficial produzido nos últimos tempos. 
O filme é longo por isso é dividido em duas partes, assim quem tiver disposto a assisti-lo prepare-se. Em minha opinião a primeira parte é melhor que a segunda, não sei porque a personagem é mais jovem ou se com o passar do tempo seus instintos ficam cada vez piores, revelando um sofrimento perene. Talvez isso não me agradou, não esperava final feliz ou um conto de fadas, mas um sofrimento inacabável não é o que espero ver no momento de minha vida. 
Essa foi minha impressão hoje, quem sabe em não mude de ideia com o passar do tempo e me torne insensível, contudo isso eu não quero me tornar.
 

Nenhum comentário: