sexta-feira, 21 de junho de 2013

Proteção às marcas

Alfrízio Melo

A Copa do Mundo é considerado o maior evento esportivo do planeta. E por conta dos seus custos, não poderia ser realizado sem o financiamento da iniciativa privada, através do patrocínio de grandes marcas.
Em compensação, a Fifa garante aos parceiros comerciais o direito de associação exclusiva à competição,
por meio do uso de marcas e símbolos oficiais em suas atividades promocionais e publicitárias.
Como a Copa do Mundo de 2014 será no Brasil (Copa das Confederações é um ensaio) e Pernambuco
como uma das subsedes vivenciará o respeito e a preservação das patrocinadoras dos eventos, é importante alertar as agências de publicidade para os cuidados a serem adotados em relação a campanhas
que tenham como tema a Copa.
A propriedade intelectual da Fifa consiste em marcas registradas como Fifa, Copa do Mundo, Copa 2014, Brasil 2014, nos designs (registrados ou não) e nos direitos autorais de obras artísticas como pôster oficial, emblema e mascote. A Fifa também registrou logotipos, palavras, títulos, símbolos e outras marcas relativas à Copa do Mundo que serão utilizadas pela entidade ou por terceiros autorizados. E tomará as
medidas necessárias para combater o uso não autorizado de suas marcas,como por exemplo,o marketing de emboscada. Uma atividade ilegal que procura se beneficiar do interesse e da visibilidade de um
evento como a Copa para divulgar um  produto ou serviço por meio de uma associação comercial não autorizada.
A Fifa considera o combate ao marketing ilegal uma prioridade porque a prática oferece um risco direto ao seu programa comercial.
No seu Programa de Proteção às Marcas, a Fifa se concentra na educação, orientação e não em ações repressivas.
Em casos mais sérios, poderá recorrer a processos judiciais, mas como reconhece que o futebol é uma paixão mundial, não se opõe que empresas se beneficiem do ambiente econômico gerado, desde que através de referências genéricas ao futebol. A Fifa até incentiva que donos de estabelecimentos
comerciais participem das comemorações decorando vitrines e fachadas com bolas e bandeiras dos países participantes, por exemplo.
Pede apenas que as atividades comerciais que queiram se beneficiar do grande número de espectadores
sejam justas com a Fifa e seus parceiros comerciais.

Alfrízio Melo é presidente da Associação Brasileira das Agências de Publicidade em Pernambuco.

Nenhum comentário: