domingo, 25 de novembro de 2012

A Escalada de Violência em Belém do Pará

O observador mais atendo tem razão, a cidade de Belém do Pará não é nem um pouco parecida com a Metropóle de São Paulo, contudo também estamos sofrendo com uma avalanche de violência.
A noticía que o Procurador do ITERPA, Carlos Lamarão e do Promotor de Justiça, Edson Augusto Cardoso de Souza foram assaltados recentemente, nos alerta que nossas autoridades públicas também são reféns da criminalidade urbana.
Na data de hoje (26.11.12) clientes de uma badalado restaurante de Belém foram assaltados em plena hora do almoço, sem providências de autoridades policiais. Outro exemplo flagante dessa escalada de violências são os constantes assaltos dentro da Universidade Federal do Pará.
O que isso mostra ao cidadão comum?? Que a dimunuição da violência só consta nos dados oficiais, a realidade cotidiana é bem diferente. Segundo o Jornalista Lúcio Flávio Pinto, na edição nº.525 de seu Jornal Pessoal a cidade de Belém é a 10º mais violenta do mundo, segundo dados da organização não governamental mexicana Conselho Cidadão para a Segurança Pública e Justila Penal, divulgado no mês passado, que tem por metodologia a doção de homicídios para cada grupo de 100 mil habitantes, onde a cidade de Belém tem como estatística oficial o número de 78,08 homitídios para cada 100 mil habitantes.
Esses dados são assutadores, necessitamos com a urgencia devida, que as autoridades públicas tomem providências, como maior treinamento de policias militares, ações conjuntas com a polícia federal no combate ao tráfico de drogas e de armas, monitoramento eletrônico em pontos estratégicos da cidade, mas sobretudo políticas públicas que enolvam educação, esporte e lazer para a juventude, desassistida de espaços públicos.
Como cidadão essas são minhas sugestões para o combate a violência urbana. Como não sou um especialista na área outras sugestões são muito bem vindas. Quem sabe constituindo uma “rede de sugestões”, nossas autoridades públicas nos escutem.



Nenhum comentário: